Será que a cloroquina é realmente eficaz no tratamento do Covid-19?

Será que a cloroquina é realmente eficaz no tratamento do Covid-19?

Há em todo o mundo, uma busca insaciável por medicamentos para o tratamento e possivelmente a cura dos doentes, freando a pandemia de COVID-19 que assola o mundo. Em pronunciamento às autoridades civis brasileiras estão defendendo a utilização da cloroquina e da hidroxicloroquina para conter a doença, mas será que ela é a solução? É isso que vamos ver nesse texto.

O que é cloroquina e hidroxicloroquina?

A cloroquina é uma molécula, um fármaco, usada desde 1944 no tratamento da Malária. A hidroxicloroquina é uma derivação da cloroquina, possuindo as mesmas propriedades farmacológicas, porém com efeitos tóxicos e colaterais reduzido. Sua patente está expirada, possibilitando que os grandes laboratórios, produzam esse medicamento sem pagar royalties. Isso permite a não cobiça dos grandes laboratórios internacionais.

Ela é realmente eficaz contra o Covid-19? 

Até o momento, não existem evidências científicas suficientes que indiquem que a cura clínica foi alcançada, ou até mesmo sobre a eficácia desses medicamentos no tratamento do novo coronavírus. Apesar da falta de evidências, a cloroquina e a hidroxicloroquina vêm sendo utilizadas em diversos hospitais públicos e privados no Brasil.

O fato de um medicamento ter um uso promissor em estudos pré-clínicos, não necessariamente significa que ele vai ser um bom medicamento no tratamento efetivo da doença.

O Ministério da Saúde (MS), recomendou que o medicamento seja usado apenas em doentes graves sem prognóstico de cura de pacientes de coronavírus, liberou a opção para os médicos, com o consentimento dos pacientes. 

Algumas redes de hospitais privados especializado em pessoas maiores de 60 anos, estão utilizando a cloroquina em pacientes no estágio inicial da doença. 

Efeitos colaterais

A cloroquina, como qualquer medicamento, possui efeitos colaterais adversos. Os já registrados que vão desde alergias a arritmias cardíacas, podendo provocar até a morte de pacientes com problemas prévios de saúde. Até agora os hospitais não fornecem dados sobre as mortes de pacientes tratados com essa medicação. Pois resta saber se a morte ocorreu por coronavírus, ou por complicações cardíacas advindas do medicamento. 

O que dizem os especialistas e pesquisadores

A corrida para a tão sonhada cura do Covid-19, deve ser amparada exclusivamente pela pesquisa conduzida seguindo todos os métodos e protocolos científicos convencionados, com processos claros e guiados por valores éticos. 

No que diz respeito ao uso da substância no tratamento da COVID-19, isoladamente ou em associação com outros medicamentos, não existem evidências conclusivas.

Uma das publicações científicas da área médica mais respeitadas do mundo, British Medical Journal, disse: “O uso da cloroquina e seus derivados na COVID-19 é prematuro e potencialmente prejudicial devido a efeitos colaterais amplamente conhecidos pela comunidade médica.”

Como deve ser conduzida essa medicação

Na situação de pandemia atual, a administração de cloroquina e seus derivados, deveria ocorrer apenas em ensaios clínicos controlados para pacientes internados com estados avançados da doença e sob supervisão médica restrita e intensiva. 

Redução do tempo de internação

Aparentemente, se for comprovado algum grau de eficácia dessas substâncias, não será de cura, mas sim da diminuição do tempo de internação do paciente.

Para esses casos mais iniciais da doença, alguns médicos anunciaram que a hidroxicloroquina, por ser menos tóxica do que a cloroquina, pode acelerar a recuperação do paciente.

Fique em casa

Por enquanto no meio dessa incerteza, existe apenas uma solução eficaz, a prevenção. Ela só é possível se as pessoas ficarem em casa evitando ficarem expostas ao vírus. Não deixe que seus parentes com idades superiores a 60 anos saiam de casa. Pessoas fora do grupo de risco devem se precaver utilizando máscaras, higienizando as mãos, mantendo distância de pelo menos 1m das pessoas e mantendo o sistema imunológico em dia, com boa alimentação.

Gostou da matéria? Fique ligado em nosso blog para se manter informado!

Comentários